“O ser humano é parte do todo, chamado por nós de ‘Universo’, uma parte limitada no tempo e no espaço. Ele experimenta a si mesmo, seus pensamentos e sentimentos como algo separado do resto – uma espécie de ilusão de ótica de sua consciência. Esta ilusão é uma espécie de prisão que nos restringe a nossos desejos pessoais e ao afeto por pessoas mais próximas a nós. Nossa tarefa deve ser a de nos livrarmos dessa prisão, ampliando nosso círculo de compaixão para abraçar todas as criaturas vivas e toda a Natureza em sua beleza.”

  • Albert Eisntein

Conheça as Posições Perceptivas da PNL

Uma forma assertiva de ampliar possibilidades de entendimento e a compreensão das situações é adotar diferentes perspectivas (vários ângulos) na observação do objeto.

Um só ponto de vista oferece apenas uma dimensão, uma única perspectiva, verdadeira naquele ângulo, mas um retrato incompleto do objeto inteiro.

Assim, a PNL sistematiza um esquema de pontos de vista básicos para utilização em diversos contextos:

A primeira posição – EU

É a própria visão de qualquer situação. A maestria pessoal vem de uma primeira posição forte. O autoconhecimento permite um modelo eficaz e influencia outros por meio do exemplo.

No momento das atividades e exercícios propostos, a ‘1ª Posição’ representa o Programador ou guia, aquele que será responsável por conduzir as atividades e aplicar as ferramentas.

A segunda posição – OUTRO

É visão do outro de qualquer situação. Representa o salto criativo de sua imaginação para compreender o mundo a partir da perspectiva de outra pessoa, pensar da forma pela qual ela pensa e sente. É a base da empatia e do rapport (sintonia).

No momento das atividades e exercícios propostos, a ‘2ª Posição’ representa o Sujeito ou explorador, aquele que se permite experimentar, vivenciar e desfrutar da atividade, sendo esta ecologicamente adequada.

A terceira posição – OBSERVADOR

É a visão de uma terceira pessoa de qualquer situação. Representa um passo externo de sua visão e da visão da outra pessoa para um ângulo mais distante, de onde se pode observar o relacionamento entre os dois pontos de vista.

No momento das atividades e exercícios propostos, a ‘3ª Posição’ representa o Metaprogramador, aquele que auxilia o Programador na aplicação da atividade, observando, apoiando e relatando as ocorrências quando solicitado.

Há ainda a possibilidade da consideração de uma quarta posição – NÓS – PENSAMENTO SISTÊMICO – que é a visão de uma quarta pessoa a qual observa estratégica e sistemicamente toda a situação e seu ambiente.

Representa uma visão ainda mais ampliada. No momento das atividades e exercícios propostos, a ‘4ª Posição’ também pode representar o papel de Metaprogramador.

Todas as posições são úteis e o ideal é transitar com flexibilidade e destreza por todas elas. A melhor compreensão de qualquer situação vem da percepção do somatório de cada uma delas.

No momento das atividades e exercícios propostos, sempre que possível, o grupo “gira” para que todos os participantes operem em todas as posições e aproveitem os benefícios de forma mais abrangente.

Em algumas situações é possível que aconteça dificuldades na exploração das diferentes posições devido às idéias pré concebidas, inflexibilidade ou modelos mentais fechados. Nestes casos, vale observar se alguma premissa da PNL está sendo desconsiderada.

Resistências e objeções são feedback da forma de comunicação que está operando. O aspecto interno de como o indivíduo vivencia sua experiência subjetiva é também objeto de estudo e sistematização na PNL:

Posição associada

Quando em sua representação interna o indivíduo vivencia diretamente a experiência.

Exemplo: ao pensar sobre o que almoçou no dia, a pessoa vê e sente o gosto da comida, pega e percebe a temperatura do copo, vendo, ouvindo e sentindo as sensações, como se as tivesse revivendo plenamente.

Posição dissociada

Quando em sua representação interna o indivíduo vivencia indiretamente a experiência.

Exemplo: ao pensar sobre o que almoçou no dia, a pessoa se vê sentada à mesa, almoçando e já não é capaz de sentir as sensações na mesma intensidade de quando reviveu a experiência associada.

É a experiência metafórica de ver passar numa tela de cinema a cena/imagem referida.

Posição duplamente dissociada

Quando em sua representação interna o indivíduo observa a experiência dissociada.

Exemplo: ao pensar sobre o que almoçou no dia, a pessoa é capaz de observar a si mesmo sentada à mesa, como se estivesse numa posição exterior (num mezanino, por exemplo).

Dessa posição, a experiência é acionada pelo cérebro, mas as sensações possuem intensidade ainda mais amena.

É a experiência metafórica de estar na sala de projeções de um cinema, observando a si mesmo sentado ao assistir na tela de cinema a cena/imagem referida.

Esta posição é bastante útil nas técnicas de reprogramação quando é necessário acionar experiências vividas, sem a necessidade de vivenciar emoções negativas.